As Associações de Seniores na UE

A APCS, Associação Portuguesa de Consultores Seniores, foi criada em 1988 e quando tal aconteceu tinha como objectivo dar uma resposta Portuguesa que equivalesse ao movimento que se gerava por essa Europa fora relativamente aos quadros seniores que estariam pert da reforma. Inclusivamente já se pretendia na Europa era que os seniores se organizassem tendo em vista a necessidade de se manterem activos enquanto pudessem e úteis à sociedade, o que resolvia duas situações. Por um lado mantinham-se estes seniores ocupados e por outro aproveitavam-se os seus conhecimentos adquiridos ao longo de uma vida de trabalho, os quais poderiam ser, eventualmente, aplicados na recuperação de empresas em dificuldades que não tinham possibilidade de recorrer aos profissionais do mercado, dados os custos envolvidos. Resta dizer que esta situação envolveu os seniores dos diversos países que viam estas soluções como boas na sua perspectiva.

Entretanto, por essa altura, deram-se imensas transformações politicas nos Países de Leste, com a queda do muro de Berlim, e os Países anteriormente debaixo da alçada do chamado império soviético viram-se na necessidade de começar a criar condições nas sua empresas de competição com os mercados europeus. Esses Países de uma forma geral tinham grandes dificuldades em angariar ajudas relativamente à forma de modernizar as suas empresas ao estilo ocidental e assim foi criada no ambito da União Europeia uma Entidade que englobasse todas as Associações de Seniores e fosse aproveitada como intermediário entre as necessidades apresentadas por aqueles Países e a União Europeia.

Assim começaram a surgir variadissimos pedidos de ajuda daqueles Países, que a referida Entidade ía endereçando às diversas Associações de Seniores, que assim destacavam elementos seus filiados para as diversas empresas de Leste que haviam solicitado auxilio.

Muitos trabalhos foram então desenvolvidos diremos mesmo alguns milhares e Portugal com a APCS contribuiu para o desenvolvimento de algumas missões bem sucedidas as quais mantiveram a Associação em actividade e exactamente de acordo com os objectivos para a qual tinha sido concebida.

Entretanto a APCS em Portugal manteve sempre uma certa actividade, mais ao nível de assessoramento empresarial, apoio à criação de empresas, etc.

Passado que foi este grande “boom” de missões levadas a cabo nos Países de Leste, e com a criação da CESES (Confederation European Services of Expert Seniors) verificou-se que as missões começaram a escassear e então a CESES viu-se na contigência de diversificar a sua actividade para outras regiões carenciadas, tendo-se voltado para a América Latina, onde as dificuldades das empresas eram muito grandes e o tecido empresarial demasiado fraco.

Criou-se, mais uma vez, um Programa de auxilio através da UE que disponibilizou para o efeito verbas avultadas destinadas ao auxilio aos Países da América Latina. O que se verificou, designadamente em relação a Portugal e à APCS é que os pedidos de auxilio endereçados à CESES e veiculados pela CESES à APCS eram normalmente envolvendo matérias para as quais a APCS não dispunha de competências entre os seus associados. Assim foram enviados muitos pedidos de peritos seniores aos quais não foi possivel à APCS candidatar alguém pelas razões atrás expostas.

Estas solicitações duraram alguns anos e quando começaram a rarear a CESES ía sempre enviando outros pedidos que lhes eram endereçados de toda a parte do mundo. Apesar de udo, por falta de consultores com as compet~encias necessárias ou a disponibilidade para tal, nunca a APCS se candidatou a estas missões.

Quase simultâneamente, por volta de 2005, começaram os contactos com a China que através da SAFEA tem vindo a proporcionar a ida de dirigentes da APCS a certames e outros eventos realizados na China, com a possibilidade de angariação de projectos para futuras missões.

A APCS tem feito uma ampla divulgação destes projectos mas o facto é que, estranhamente, não tem sido possível, até agora, enviar nem que fosse uma candidatura para qualquer das missões envolvidas. Neste momento alagou-se o leque de possíveis candidatos mas mesmo assim as dificuldades têm sido muitas. No entanto é nossa intençao continuar a insistir até que este tipo de actividade seja do conhecimento do maior número de pessoas com as qualificações e competências necessárias.

Anúncios
  1. As Associações de Seniores na UE « apcseniores

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: